28.2 C
Bom Jesus

Segunda Turma do STF decide manter Lula preso em Curitiba

Ministros rejeitaram medida cautelar proposta por Gilmar Mendes e petista ficará na prisão enquanto o julgamento sobre a suspeição de Moro não for analisado

2ª Turma do Supremo Tribunal Federal (STF) decidiu, nesta terça-feira (25/6), que o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva continuará preso até que o colegiado conclua o julgamento de um pedido de habeas corpus apresentado pela defesa do petista, o que só deve ocorrer em agosto.

O pedido de HC, que questiona a imparcialidade de Sérgio Moro ao condenaro Lula, entrou na pauta da Segunda Turma, mas não houve tempo de julgá-lo. Diante da impossibilidade de análise, o ministro Gilmar Mendes chegou a apresentar uma medida cautelar para que fosse dado a Lula o direito de aguardar a decisão em liberdade, mas a proposta foi rejeitada por Cármen Lúcia, Celso de Mello e Edson Fachin.

Ricardo Lewandowski foi o único a concordar com a ideia de Mendes, de conceder liberdade provisória ao petista. Dessa forma, o julgamento só será retomado após o recesso do Jucidiário, no segundo semestre. Até lá, Lula continua cumprindo a pena por corrupção passiva e lavagem de dinheiro na sede da Polícia Federal em Curitiba.

Início em dezembro

O HC, de número 164493, começou a ser julgado em 4 de dezembro de 2018. O relator do caso, ministro Edson Fachin, e a ministra Cármen Lúcia, votaram contra Lula. Faltavam três votos: os de Gilmar Mendes, Ricardo Lewandowski e Celso de Mello. Na sua vez, Mendes pediu vista, ou seja, mais tempo para analisar a questão, e o julgamento foi interrompido.
Pouco mais de seis meses depois, em 10 de junho passado, Gilmar Mendes liberou a matéria para julgamento e pediu que ela fosse incluída na pauta da 2ª Turma. A decisão do ministro foi tomada um dia depois de o site The Intercept Brasil começar a divulgar mensagens de celular atribuídas a Moro e a procuradores que integram a força-tarefa da Lava-Jato em Curitiba, incluindo o coordenador Deltan Dallagnol.

Conversas vazadas

Os diálogos levantaram a suspeita de que Moro poderia ter ultrapassado os limites de atuação adequados a um juiz, fornecendo, por exemplo, contatos de possíveis testemunhas de acusação, sugerindo que os promotores emitissem nota à imprensa contradizendo os argumentos da defesa e reclamando para Dellagnol do desempenho de uma das promotoras, que acabou sendo trocada nas audiências seguintes.
Moro e os procuradores, em sua defesa, afirmaram não ter visto nenhuma irregularidade que pudesse ser apontada nos diálogos divulgados e levantaram a possibilidade de as mensagens terem sido adulteradas. O ministro da Justiça também afirmou que a Polícia Federal, sob seu comando, investiga o hackeamento dos celulares dos envolvidos nas conversas e pediu mais de uma vez que o site The Intercept Brasil entregue o material para análise das autoridades.
O teor das conversas dividiu a classe política e jurídica do país. Enquanto governistas centraram a análise no possível crime cometido para a obtenção e talvez adulteração das mensagens, a oposição ressaltou o conteúdo das conversas, tratando-as como prova da imparcialidade de Moro, logo da invalidade do julgamento de Lula.
Ao mesmo tempo, entidades ligadas aos juízes e promotores saíram em defesa da Lava-Jato e de Moro, mas representações importantes, como a Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) sugeriu o afastmento do ex-juiz federal do governo. Foi nesse contexto que o julgamento — cuja questão central era a suspeição de Moro — foi retomado, fazendo com que muitos vissem como boas as chances de Lula obter a liberdade.

Dois HCs em questão

Até o início da sessão desta terça-feira, não estava claro se o pedido de liberdade de Lula seria julgado. Depois de ser incluída na pauta, na semana passada, a ação foi retirada na segunda-feira (24/6), segundo Cármen Lúcia, presidente da 2ª Turma, por um pedido de Gilmar Mendes, o mesmo ministro que havia solicitado sua inclusão, no último 10 de junho.

a manhã desta terça, a dúvida prosseguiu, quando o sistema do STF assinalou que a retirada da pauta havia sido um equívoco. Quando, então, a sessão foi iniciada no começo da tarde, Gilmar Mendes propôs que fosse dado a Lula o direito de aguardar por uma decisão em liberdade, concordando com a defesa do petista, para quem Lula tinha prioridade por já estar preso e ser idoso (73 anos).

“Tem razão o advogado quando alega o alongamento desse período de prisão diante da sentença de condenação confirmada em segundo grau. Como temos a ordem dos trabalhos já organizada, o que proporia ao tribunal é conceder uma medida para que o paciente aguardasse em liberdade a nossa deliberação”, afirmou Mendes.

Após a manifestação de Mendes, Cármen Lúcia colocou em julgamento dois pedidos de habeas corpus: um em que a defesa acusa o então juiz e hoje ministro Sérgio Moro de imparcialidade e outro em que se questionava uma decisão do ministro Félix Fischer, do Superior Tribunal de Justiça (STJ), que negou um recurso de Lula de maneira individual, sem submetê-lo ao Plenário da Corte. Um dos advogados de Lula, Cristiano Zanin tentou convencer a Turma a julgar os dois habeas corpus ao mesmo tempo, mas o pedido foi recusado.

Assim, o julgamento começou pelo HC que questionava a decisão de Félix Fischer. Nesse caso, votaram contra Lula: Edson Fachin, Gilmar Mendes, Celso de Mello e Cármen Lúcia. O voto favorável foi de Ricardo Lewandowski.

Em seguida, Gilmar Mendes voltou a sugerir que fosse dada liberdade a Lula, já que o HC que questiona a imparcialidade de Moro não seria analisado. A ideia foi rejeitada e o julgamento, interrompido.

Portal Ponto X 2019 – Conectando o Sul do Piauí. Curti e siga as nossas páginas no Facebook @portalpontox no Instagram portal_pontox e no Twitter @PortalPontoX  INSCREVA-SE em nosso CANAL no YOUTUBE CANALWEB TV PONTO X sugestão de matéria pelo WhatsApp (89) 98140-639


Fonte: Correio Braziliense

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Mais Lidas

Polícias Civil e Militar prendem traficantes em Bom Jesus.

A ação integrada das Polícias Civil e Militar de Bom Jesus resultou na prisão de um casal traficantes, na apreensão de um menor de...

Gusttavo Lima é censurado e decide não fazer mais lives, CONAR aponta irregularidades nas transmissões

A declaração foi feita horas depois do músico virar alvo do Conar (Conselho Nacional de Autorregulamentação Publicitária), que apontou irregularidades nas propagandas de bebidas...

Adolescente de 15 anos morre afogado em barragem no Piauí

O jovem Lucas de Jesus Almeida, de apenas 15 anos, de família de Campo Grande do Piauí, morreu vítima de afogamento no início da...

Sindicato denuncia cortes de horas extras e cobra adicional de periculosidade igual para todos durante pandemia

A Direção do Sindicato dos Empregados em Estabelecimentos de Saúde Pública do Piauí (SINDESPI) em reunião na última quarta-feira (15/04) com o diretor do...