Foto: Portal Ponto X - Jornalista Ronilton Leal

Cumprindo agenda no Sul do Piauí, o governador Wellington Dias, vistou a cidade de Bom Jesus, na manhã dessa quinta-feira (20). O objetivo da viagem foi a inauguração de uma Policlínica que prestará atendimento à população da região da Chapada das Mangabeiras.

Mas, nem tudo foi do jeito que a comitiva do governador esperava. Ao descer do avião, W. Dias, foi recebido por dezenas de professores que estão em greve reivindicando o piso salarial da classe. Segundo os professores há dois anos que o governador não repassa o aumento dos salários e não dar o aumento aos professores aposentados.

Um forte coro dos professores chamou a atenção das pessoas e autoridades presentes no aeroporto de Bom Jesus: “Ele nos enganou e que quer nos enganar, a nossa luta não vai para”. dizia os grevistas.

A categoria iniciou uma greve geral desde o dia 10 de fevereiro e não tem previsão de retorno à sala de aula. Os professores reivindicam do Governo do Estado, o pagamento do reajuste do piso salarial de 2019 e 2020 – porcentagem garantida por lei pelo Governo Federal.

Uma professora utilizou o microfone de um carro de som e pediu respeito ao governador: “Tenha mais respeito pelos professores e a classe aposentada do Piauí, cumpra a Lei do piso salarial, pois auxilio alimentação não quer dizer vencimento. Cadê você governador que não atende os trabalhadores em educação do estado?” Disse.

O Governo do Estado informa que enviou, na última segunda-feira (17), para a Assembleia Legislativa do Piauí (Alepi), o projeto de lei que legisla sobre o reajuste salarial e a política de vencimentos dos professores da Rede Estadual de Ensino. Com a medida, 95% dos professores piauienses receberão entre R$ 3.750 e R$ 7.082, um reajuste de 4,17%, mais auxílio alimentação de 4,31%. O valor fica bem acima do piso nacional do magistério que é de R$ 2.886.

O novo piso estadual deve entrar em vigor a partir do mês de maio, prazo necessário para que o valor se adeque à Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF), que limita gastos do executivo com folha de pessoal estabelece um limite prudencial de 46.55% do Orçamento do Estado.
Veja as fotos do protesto no aeroporto de Bom Jesus:
Comentários Facebook