O Buriti representa para a comunidade da zona rural de Palmeira do Piauí, região Sul do estado, um meio de sustento, pois grande parte dos moradores do município, de aproximadamente 5 mil habitantes, realiza o aproveitamento do fruto. Com o buriti é produzido diversos derivados. Seus principais produtos são o doce, o óleo, a polpa, a raspa e os artesanatos da tala, além da embalagem que pode ser produzida para armazenar o doce.

Para aproveitar todas essas opções e tornar o produto natural um meio de sustento, diversas famílias do Povoado São Francisco, comunidade que fica localizada a cerca de 60 km da sede e de outras localidades do município, formalizaram em agosto de 2012  a BURITICOOP, com 26 cooperados entre homens e mulheres, com a ideia de fomentar a produção do buriti e seus derivados que faz parte da cultura da cidade.

Palmeira do Piauí também é conhecida pela fabricação da Cachaça Artesanal de Cana-de-açúcar, o município possui dezenas de alambiques, que produzem em média por safra, quase 1 milhão de litros do aguardente, que é comercializado ainda de forma rústica, apesar da cidade ter uma cooperativa do produto, porém, sem funcionalidade. Mas, este assunto ficará para uma próxima reportagem do Ponto X. Retornemos ao buriti. 

A nossa reportagem conversou com um associado da BURITICOOP, José Wilton, (tesoureiro) morador do Povoado São Francisco, Ele ressalta que apesar de todas as dificuldades e desistências de alguns produtores a cooperativa segue com seu propósito, em trabalhar para melhorar a produção e comercialização do óleo e derivados do buriti.

“Infelizmente há alguns anos atrás tivemos uma safra muito ruim e isso fez com que alguns associados desistissem da cooperativa. Mas, felizmente já há dois anos tivemos uma boa safra. Chegamos a produzir em 2017 mais de 20 toneladas de óleo do burirti que foi exportada. Com isso conseguimos estabilizar as finanças da BURITICOOP“. Disse o tesoureiro da cooperativa.

Ainda segundo José Wilton, a boa safra trouxe um grande avanço para a cooperativa e deu um ânimo novo aos cooperados. De acordo com o tesoureiro, todos estão lutando para conseguir construir uma sede própria para viabilizar ainda mais o sistema de produção.

Na última quinta-feira dia (21/11), foi realizada uma reunião no auditório da Câmara de Vereadores para discutir e articular as vendas da produção da safra 2019/2020 e também para renovar a diretoria da BURITICOOP. A presidente da cooperativa é a produtora, Marcelina. A cooperativa começou com 26 sócios e hoje conta com 16 associados que acreditam no sistema de cooperativismo.

Início do Projeto da BURITICOOP:

Com o objetivo de promover o desenvolvimento local aliado à conservação e ao uso sustentável da biodiversidade relacionado ao buriti, a iniciativa teve duração entre Janeiro de 2010 e Setembro de 2011 e apoio da Natura Cosméticos. O projeto visou contribuir para a organização e o fortalecimento dos produtores de óleo de buriti, além de promover a valorização cultural. Outro objetivo foi a realização de manejo sustentável do fruto, de forma a dar suporte à cadeia produtiva do óleo de buriti. Também houve a divulgação do trabalho realizado através de publicação de material didático para ser distribuído nas comunidades rurais e escolas da região. Vários cursos de capacitação foram realizados, de associativismo, cooperativismo, boas práticas, entre outros, afim de preparar e qualificar os produtores, como forma de beneficiamento e intensivo. 

Buriti e Natura Cosméticos:

O buriti nasce de uma majestosa palmeira, a polpa do fruto é peneirada e vai ao fogo até surgir um precioso óleo que é utilizado na fabricação de sabonete que limpa e esfolia, renovando a pele e a deixando macia e perfumada, a Natura chegou a usar o nome de Palmeira do Piauí’ nos sabonetes de uma linha de produtos regionais. A empresa ainda está comprando o óleo do buriti da região para fazer o sabonete e outros produtos.

De acordo com José Wilton, o óleo de buriti produzido pela cooperativa não é vendido diretamente para a Natura Cosméticos, o produto é comercializado para uma empresa de beneficiamento na cidade de Belém, estado do Pará, somente depois de refinado, o óleo é passado para a Natura.

Derivados do Buriti, comercializado na região:

O buriti é muito consumido na região Sul do estado, o doce é vendido em feiras e supermercados. Do produto ainda é feito um delicioso suco, (também conhecido como, Jacuba ou Jereba). É tradicional na mesa dos palmeirinos no café da manhã e no lanche da tarde, pode ser misturado à tapioca, farinha e cuscuz.

Com a tala do buritizeiro, é possível fabricar vários objetos artesanais. Mesas, bolsas, bancos, mandalas e outros. O artista conhecido na cidade por James de Gumercindo, produz e comercializa os objetos até para fora do estado.


Fonte: Portal Ponto X – Jornalista, Ronilton Leal

Comentários Facebook