28.2 C
Bom Jesus

Cerrados do Piauí se preparam para produzir 7 milhões de toneladas de grãos

A nova Lei Fundiária do Piauí, aprovada no final do ano passado pela Assembleia Legislativa, foi bem recebida pelos produtores rurais dos Cerrados.

O principal ponto da nova lei é que ela acaba com a figura do grileiro, destacou Moisés Barjud, conselheiro consultivo e ex-presidente da Associação dos Produtores de Soja do Piauí (Aprosoja).

Em entrevista que fiz com ele no município de Bom Jesus, Moisés Barjud disse que a grilagem é uma estrutura organizada, com a participação do invasor de terras, do cartório corrupto, do agrimensor, do advogado, do servidor público e do financiador.

Toda essa rede cai com o novo marco legal, confia o conselheiro e ex-presidente da Aprosoja. Ele destacou que a nova legislação foi amplamente discutida com todos os interessados.

Salto na produção

Moisés Barjud ocupou a presidência da Aprosoja-Piauí por dois mandatos, sendo também vice-presidente da Aprosoja Brasil, e avalia que o governo deu ao problema a prioridade que ele merecia, criando as condições para a segurança jurídica no campo.

Com isso, em sua opinião, haverá mais facilidade para a regularidade ambiental, o acesso ao crédito, o aumento da produção e a geração de mais emprego e renda.

Conforme o conselheiro da Aprosoja, o Piauí tem hoje, nos Cerrados, uma área plantada de 750 mil hectares.

Com as novas regras, existe a possibilidade de essa área ser ampliada imediatamente para 1 milhão e 100 mil hectares.

Muitas propriedades têm licença, mas não produzem por carência de crédito, explicou o produtor.

Resolvido o problema fundiário, que o ex-presidente da Aprosoja considera como o maior do setor, em pouco tempo a produção agrícola do Piauí vai saltar de 4,4 milhões de toneladas por ano para 7 milhões, conforme a sua estimativa.

É a 6ª legislação

A Proposta de Emenda à Constituição que trata da Regularização Fundiária do Piauí foi promulgada em dezembro.

Também foram sancionadas pelo governador Wellington Dias as Leis Complementares 2.44 e 7.292 que formaram o Pacote de Regularização Fundiária enviado pelo Governo e aprovado pela Assembleia.

A nova legislação fundiária do Piauí é a sexta sobre o mesmo assunto desde 2006.

A Corregedoria de Justiça do Piauí, que trabalhou intensamente para a formatação da nova legislação, também está otimista quanto ao novo marco regulatório do setor.

O Piauí viveu por muito tempo uma ocupação desordenada do seu território e o resultado foi a criação de um ambiente propício à prática da grilagem de terras, com geração permanente de conflitos; produtores rurais de boa-fé trabalhando sem segurança jurídica e até mesmo a expulsão de comunidades tradicionais.

Os produtores terão, ainda, outros problemas pela frente, como a logística, aí incluída a armazenagem e as estradas para escoamento da safra.

Outra preocupação deles é com a questão tributária. O agronegócio gera quase R$ 1,5 bilhão de imposto ao ano no Piauí.


Fonte: cidade verde

Mais Lidas

Polícias Civil e Militar prendem traficantes em Bom Jesus.

A ação integrada das Polícias Civil e Militar de Bom Jesus resultou na prisão de um casal traficantes, na apreensão de um menor de...

Gusttavo Lima é censurado e decide não fazer mais lives, CONAR aponta irregularidades nas transmissões

A declaração foi feita horas depois do músico virar alvo do Conar (Conselho Nacional de Autorregulamentação Publicitária), que apontou irregularidades nas propagandas de bebidas...

Adolescente de 15 anos morre afogado em barragem no Piauí

O jovem Lucas de Jesus Almeida, de apenas 15 anos, de família de Campo Grande do Piauí, morreu vítima de afogamento no início da...

Sindicato denuncia cortes de horas extras e cobra adicional de periculosidade igual para todos durante pandemia

A Direção do Sindicato dos Empregados em Estabelecimentos de Saúde Pública do Piauí (SINDESPI) em reunião na última quarta-feira (15/04) com o diretor do...